domingo, 25 de novembro de 2012

Na bienal

A bienal está muito bem montada.
A estrutura está ótima.
Com o olhar crítico encontrei logo na entrada de um dos estandes:










Mas encontrei também outro que exibia:












Quem estiver menos atento nem vai perceber a diferença entre um e outro, mas não é difícil. O correto é o segundo com ESTE, pois se refere a uma coisa que está próximo, ao passo que ESSE está falando de algo que está distante. Como os dois cartazes estavam afixados na entrada de cada um dos lugares de venda, o correto é, repetindo, o segundo.
Eu devo dizer que estou usando este computador para escrever (me referindo à máquina que estou usando agora) e digo que voce leitor está usando esse computador (me referindo ao que está perto de voce leitor, mas distante de mim. )

sábado, 24 de novembro de 2012

Novo ditador

O sofrimento do povo egípicio parece não ter fim.


A República do Egito foi proclamada em 18 de Junho de 1953, presidida pelo General Muhammad Naguib. Em 1954, Gamal Abdel Nasser — o verdadeiro arquiteto do movimento de 1952 — forçou Naguib a renunciar, colocando-o em prisão domiciliar. Nasser assumiu a presidência e declarou a total independência do Egito com relação ao Reino Unido, em 18 de Junho de 1956, com a conclusão da retirada das tropas britânicas.

Nasser faleceu em 1970, três anos após a Guerra dos Seis Dias, na qual Israel invadiu e ocupou a península do Sinai. Sucedeu-o Anwar Al Sadat, que afastou o país da União Soviética e o aproximou dos Estados Unidos, expulsando os conselheiros soviéticos em 1972. Promoveu uma reforma econômica chamada "Infitá" e suprimiu de maneira violenta tanto a oposição política quanto a religiosa.

A histórica visita de Sadat a Israel, em 1977, levou ao tratado de paz de 1979, que estipulava a retirada israelita completa do Sinai. A iniciativa de Sadat causou enorme controvérsia no mundo árabe e provocou a expulsão do Egito da Liga Árabe, embora fosse apoiada pela grande maioria dos egípcios. Um soldado fundamentalista islâmico assassinou Sadat no Cairo, em 1981. Sucedeu-o Hosni Mubarak.


Hosni Mubarak governou por quase trinta anos, mas renunciou derrotado após uma grande onda de protestos: a população jovem se revoltou depois de conviver por anos em alta taxa de desemprego e situação de pobreza enquanto o Presidente Mubarak acumulava riquezas absurdas à custa de corrupção e impunidade nos desvios de recursos públicos.
Em primeiro de julho deste ano, Mohamed Morsi (ou Mursi) foi empossado presidente, após vencer as eleições com 51% dos votos e no último dia 22 se tornou um novo ditador.

"O presidente pode tomar qualquer decisão ou medida para proteger a revolução", declarou um porta-voz na televisão. "As declarações constitucionais, decisões e leis emitidas pelo presidente são definitivas e não estão sujeitas a recurso" até que uma nova Constituição entre em vigor e um novo Parlamento seja eleito, acrescentou. A eleição está prevista para o segundo semestre de 2013.

O povo, é claro, está mais uma vez protestando

Fontes:  Wikipédia. globo.com, r7.com

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Foi quase 2

Veja como escapar também no vídeo a seguir:
video
e também neste: 
video

terça-feira, 20 de novembro de 2012

Foi quase

video
Como escapar de um grave acidente - veja o vídeo

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Congresso de Cerimonial e Protocolo

Começa no próximo dia 15, o XVIII Congresso Nacional de Cerimonial e Protocolo (CONCEP), na cidade maravilhosa.
Para quem não é filiado ao CNCP a inscrição não é nada barata.
Voce pode conferir a progamação e tudo que vai rolar clicando aqui.

sábado, 3 de novembro de 2012

Nem ele gosta

Ainda não ouvi esse tal "sucesso" e acho mesmo que vou abrir mão disso.
O incrível é que nem o próprio "cantor" gostou.
Mas onde "Eguinha pocotó", "Minha vó tá maluca", "teterere tetê"e tantas e tantas outras merdas sonoras fazem "sucesso", uma titica a mais não vai feder tanto.
Cada um tem um gosto, ou desgosto.
Para o meu gosto musical, alguns barulhos nem deviam ser tratados como música.